Indústrias paranaenses que estão contribuindo para o enfrentamento ao Novo Coronavírus


O deputado estadual Michele Caputo (PSDB) elogiou, nesta segunda-feira (6), a iniciativa de dezenas de indústrias paranaenses que estão contribuindo para o enfrentamento ao Novo Coronavírus.

Muitas delas atenderam ao chamado das autoridades de saúde e converteram suas linhas de produção para confeccionar máscaras, luvas, aventais, óculos e outros itens fundamentais para a proteção dos profissionais de saúde.

CAPUTO DESTACA INDÚSTRIAS QUE PASSARAM A PRODUZIR EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Muitas delas atenderam ao chamado das autoridades de saúde e converteram suas linhas de produção para confeccionar máscaras, luvas, aventais, óculos e outros itens fundamentais para a proteção dos profissionais de saúde.


O deputado estadual Michele Caputo (PSDB) elogiou, nesta segunda-feira (6), a iniciativa de dezenas de indústrias paranaenses que estão contribuindo para o enfrentamento ao Novo Coronavírus.

Muitas delas atenderam ao chamado das autoridades de saúde e converteram suas linhas de produção para confeccionar máscaras, luvas, aventais, óculos e outros itens fundamentais para a proteção dos profissionais de saúde.


Desde o início do mês de março, antes mesmo do avanço da Covid-19 no Paraná, Caputo já vinha defendendo a adoção dessas mudanças, sobretudo no setor da indústria textil. “Não podemos ficar a mercê de fornecedores internacionais. O mundo todo está precisando de EPIs (equipamentos de proteção individual) e a concorrência é muito grande. Por isso, temos que ampliar a capacidade de produção desses itens aqui no Paraná”, ressalta o deputado, que já foi secretário estadual da Saúde.

Apoio da FIEP

Quem também está incentivando a reconversão das linhas de produção é a Federação das Indústrias do Paraná (FIEP). Através de seus sindicatos filiados, a entidade mobilizou empresas de diversos setores para reforçar o abastecimento de EPIs e também frascos de solução de àlcool em gel no mercado.

De acordo com o gerente de Assuntos Estratégicos da FIEP, João Arthur Mohr, a adesão tem sido muito boa e contempla indústrias de todas as regiões do Estado. Unidades do SENAI também estão trabalhando para fortalecer a manutenção de equipamentos de saúde, como respiradores e ventiladores mecânicos.

Além disso, há ações importantes de voluntários e órgãos públicos. Universidades Estaduais estão produzindo alcool em gel e formando redes de costureiras para abastecer os hospitais universitários. Exemplo é a Universidade Estadual de Maringá, que conta com 56 costureiras e diversas empresas do setor textil e tapeçaria.

Outra iniciativa é da Associação da Vila Militar (AVM), que cedeu 60 funcionários para a força-tarefa de produção de EPIs para o Hospital do Trabalhador, em Curitiba. A estimativa é que o grupo, que também composto por voluntários da Legião da Boa Vontade, tenha capacidade para produzir de 20 a 30 mil máscaras por mês.

Veja alguns exemplos do que está sendo feito:

– Setor do vestuário que produzia bonés e camisetas passaram a confeccionar máscaras e aventais;

– Setor de bebidas que produzia refrigerantes, cervejas e cachaças passaram fabricar àlcool 70% e álcool em gel;

– Montadoras de veículos e caminhões e o SENAI coletam respiradores com defeito em todo o Paraná e fazem a manutenção dos equipamentos

– Setor Metal Mecânico e Eletroeletrônico se preparam para formar um pool de empresas para aumentar a produção de camas hospitalares



Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas