Pequenos agricultores já podem comprar 'trator solidário', avisa Romanelli


O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) reforçou o aviso nesta quinta-feira, 21, às cooperativas e associações de pequenos agricultores que já está aberta a apresentação das propostas para compra do "Trator Solidário" - "um dos mais importantes programas de incentivo para o aumento da produção agrícola do Paraná".

“O pequeno agricultor da agricultura familiar que estiver interessado na aquisição de máquinas, implementos e equipamentos consignados ao programa Trator Solidário já pode apresentar pré-propostas para financiamento de equipamentos agrícolas”, confirma.

Romanelli destaca que os financiamentos seguem regras do Pronaf, com limites, prazo de carência e taxa de juros autorizados pelo Conselho Monetário Nacional e Banco Central. Os pequenos produtores devem ter ainda a Declaração de Aptidão ao Pronaf ativa. “Essa é uma das condições para aderir ao programa e que mostra que o pequeno produtor obedece a todas as exigências federais para ser considerado agricultor familiar”, explica.

Iapar/Fomento – No Paraná, o programa Trator Solidário é coordenado pela Secretaria Estadual de Agricultura. A operação do programa é feito em parceria com o Iapar (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná), Fomento Paraná, agentes financeiros oficiais, cooperativas de crédito e fabricantes de equipamentos, implementos e tratores.

O Trator Solidário é um programa de cunho social, que traz eficiência no campo e baixo nível de inadimplência. “Por meio dele, conseguimos expandir a produção agropecuária estadual, promover a modernização do campo e garantir aumento de renda e qualidade de vida”, disse o secretário Noberto Ortigara (Agricultura).

Além de facilitar o acesso a linha de crédito, o programa permite ao pequeno agricultor a compra de equipamentos novos com preços médios 15% abaixo do mercado.

Economia – Romanelli explica quais os procedimentos necessários para aderir ao programa. Inicialmente, é necessário que o produtor interessado se dirija ao escritório da Emater mais próximo para se pré-qualificar. Um técnico vai verificar a validade da declaração de aptidão e solicitar os documentos exigidos pela instituição financeira de preferência do agricultor.

O deputado observa ainda que o beneficiário do programa também terá a opção de aderir ao Sistema de Equivalência em Produto, um mecanismo amparado por recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico da Fomento Paraná.

“Cada parcela equivale a uma quantidade fixa de milho. Caso o preço médio de mercado do produto fique abaixo do estipulado na data da contratação da operação, o Estado garante o pagamento da diferença, sem prejudicar o agricultor”, completa.

FONTE: ASSESSORIA ROMANELLI



Já segue nossas Mídias Sociais

Entre no nosso grupo do whats. CLIQUE AQUI
CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK. CLIQUE AQUI
SIGA NO INSTAGRAM. CLIQUE AQUI
Entre no nosso grupo do Telegram. CLIQUE AQUI
SIGA O BLOGGER. CLIQUE AQUI
SIGA O LINKEDIN. CLIQUE AQUI
Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas