Aglomerações em locais de prova do PSS foram 'pontuais', diz diretor da Seed; comissão analisa reclamações



O diretor-geral da Secretaria Estadual da Educação (Seed) do Paraná, Gláucio Dias, afirmou que a prova do Processo Seletivo Simplificado (PSS) para contratação de professores temporários que vão atuar na rede estadual correu bem, e que as aglomerações registradas foram pontuais.


"Nós temos uma avaliação que a prova foi bastante positiva. Foi bastante pensado, bastante organizado. Foram casos pontuais. Mas eram 198 locais de prova, 30 cidades, e correu tudo com bastante normalidade", afirmou Gláucio Dias.


Mais de 34 mil candidatos realizaram as provas no domingo (10). Segundo a secretaria, o processo de seleção teve 12,74% de abstenção.


De acordo com o diretor-geral da Seed, os registros de aglomerações aconteceram em dois pontos, em Curitiba e Cascavel, mas que dentro das salas os protocolos de segurança sanitária foram seguidos.


Segundo Gláucio Dias, a comissão organizadora está analisando reclamações específicas de candidatos sobre a aplicação da prova.


Reclamações

Após a aplicação da prova, a App-Sindicato, que representa a categoria dos professores da rede estadual, afirmou que candidatos reclamaram que não puderam deixar o local com o gabarito.


O sindicato também disse que houve casos de professores que se inscreveram para duas disciplinas, mas só puderam fazer uma prova.


De acordo com Gláucio Dias, o edital não permitia que os candidatos deixassem o local com o gabarito.

"O edital dizia que o profissional não pode levar o gabarito. Usam essa regra para não haver fraudes nas provas", disse.


Segundo ele, as folhas respostas digitalizadas estão disponíveis para consulta pela internet até a noite desta segunda-feira (11).


Sobre outros problemas, o diretor da Seed afirmou que as informações preliminares são de que houve confusão no preenchimento das inscrições por parte de alguns candidatos, mas que casos específicos estão sendo analisados.


"São vários casos específicos, e o Cebraspe está tabulando para nos dar uma resposta. As informações preliminares é que alguns candidatos se confundiram no momento da inscrição", disse.


De acordo com a Seed, se forem identificados erros na aplicação da prova, medidas serão tomadas para que sejam corrigidos.


Briga judicial

A prova chegou a ser adiada duas vezes. Inicialmente, ela estava marcada para acontecer em 13 de dezembro. Mas foi adiada inicialmente para o dia 20 de dezembro por causa da pandemia do novo coronavírus.


Depois, a prova foi novamente adiada para 10 de janeiro, também por causa da alta de casos de Covid-19 no estado.


Sindicato e Ministério Público do Paraná (MP-PR) chegaram a pedir novos adiamentos, mas seis decisões judiciais confirmaram a realização da prova no começo de janeiro.


Segundo o diretor da Seed, a prova foi realizada no domingo após a liberação da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa).


"Nós esperamos o momento certo, sob as orientações da Secretaria da Saúde, e nesse momento havia a possibilidade da prova, que é mais um avanço na educação do nosso estado", afirmou.


FONTE: G1 PARANÁ

Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas