Michele Caputo reforça a importância da imunização contra a gripe



O deputado Michele Caputo (PSDB) reforçou, nesta terça-feira, 13, a importância da vacina contra a gripe até para evitar a procura intensa das unidades de saúde durante o outono e inverno. "É o momento de reforçar a imunidade de todos, muito importante frente a outras doenças respiratórias", disse.


"Estamos na estação em que o vírus da influenza costuma circular com mais intensidade e pode ser um dos causadores da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Entre março e maio do ano passado, foram internadas mais de 1,8 mil pessoas com síndromes respiratórias no Paraná. Este ano temos um agravante, o coronavírus em grande escala e suas variantes, que podem confundir com sintomas da gripe", explica Caputo.  

A campanha de vacinação contra a influenza no Paraná começou na segunda-feira (12), se estende até 9 de julho e o foco é vacinar pelo menos 90% dos grupos prioritários.

Neste ano, a imunização será realizada de forma escalonada. Os grupos prioritários estão distribuídos em três etapas. Na primeira, iniciada nesta semana e que segue até 10 de maio, serão imunizadas crianças de seis meses a menores de seis anos de idade (cinco anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde.

Tomar a vacina é uma forma de evitar que duas epidemias aconteçam juntas, covid-19 e gripe. A vacina contra gripe é considerada segura e capaz de reduzir os casos graves, as internações e os óbitos decorrentes da infecção. "O alerta a população é para que se imunize, que não corra o risco de, em caso de uma síndrome respiratória mais aguda, necessite de um leito e não consiga por estar ocupado pelos casos de covid", pontuou Michele Caputo.

“Uma peculiaridade deste ano é que temos ao mesmo tempo a imunização contra a covid-19, o que torna um alerta essencial: é necessário respeitar o intervalo de 14 a 21 dias entre a aplicação de cada uma das vacinas. Respeitando as orientações médicas, quem faz parte dos grupos prioritários não deve deixar de se vacinar e se proteger”, explica.

Também diferentemente dos outros anos e seguindo a estratégia do Ministério da Saúde, idosos com 60 anos ou mais serão vacinados na segunda etapa da campanha, de 11 de maio a 8 de junho, junto com os professores da rede pública e privada.

Na terceira etapa, de 9 de junho e 9 de julho, serão vacinadas as pessoas com comorbidades, deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privadas de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

FONTE: ASSESSORIA
Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas