quarta-feira, 19 de junho de 2019

“Paraná não suporta mais o pedágio”

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) faz uma nova cruzada contra o pedágio no Paraná. Entrou com uma ação contra a reabertura da praça na BR-369 em Cambará e questiona os acordos de leniência firmado entre o MPF e as concessionárias que operam no Estado.“Esses acordos são lesivos ao interesse público e deveriam
obrigar as concessionárias a realizar as obras que não fizeram”, disse.

Mas não é de hoje que Romanelli bate no pedágio e desde a sua implantação se colocou contrário ao modelo implantado no Paraná. “Em 1997, quando o governo Jaime Lerner enviou para a Assembleia Legislativa o projeto que criava o Anel de Integração, fui um dos poucos deputados a votar contra. Já na sua concepção apenas 22% do valor arrecadado seria investido efetivamente na melhoria das rodovias”, disse o deputado.

“Lamento que durante os 20 anos de implantação do pedágio no Paraná, apesar de todas as evidências e indícios, o Ministério Público Federal pouco tenha feito para investigar as concessionárias, assim como a Justiça Federal decidiu majoritariamente a favor delas”, completa Romanelli.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

O senhor e o prefeito de Cambará, Neto Haggi (MDB), entraram com uma ação  popular que pede o fechamento da praça de pedágio na BR-369 entre Andirá e Cambará, no Norte Pioneiro.  Essa praça de pedágio é ilegal?
Romanelli - Entendemos que o povo paranaense e principalmente os moradores da região, estão sendo penalizados com a reabertura dessa praça, que foi fechada por 16 anos. A reabertura é ilegal. A praça foi substituída pela praça de Jacarezinho, que faturou quatro vezes mais.

O TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) considerou ilegal, em 2008, o aditivo que permitiu a mudança do local da praça. A decisão somente agora está sendo executada, devido ao número quase inesgotável de recursos que temos em nosso ordenamento jurídico.

No entanto, relativamente à Praça de Cambará, que originalmente constava no contrato, a concessionária alega que não há nenhum empecilho para sua reabertura, o que não é verdadeiro.

O que se questiona na ação
Romanelli - O que estamos questionando com essa ação popular, é justamente o fato de que o termo aditivo de 2002, fez desaparecer a Praça de Cambará do contrato de concessão e nenhum outro termo foi repactuado com o Estado que permita sua reabertura de forma legal.

O juiz Augusto César Gonçalves, da 6ª Vara Federal de Curitiba deu o prazo de 72 horas para receber as manifestações dos réus - entre eles, a concessionária Econorte. Estamos esperançosos que, diante de todas as irregularidades praticadas ao longo dos anos, a Justiça finalmente decida em favor da população da região e mande fechar a praça.

O senhor também criticou o acordo de leniência firmado entre a Lava Jato e a Rodonorte. Por que?
Romanelli - O acordo firmado prevê pagamento de R$ 750 milhões até o final da concessão, que acaba em 2021. Desse valor, R$ 350 milhões serão destinados ao pagamento de parcela da tarifa dos usuários, com a consequente redução em 30% do valor do pedágio de todas as praças operadas pela empresa. O acordo foi firmado depois que a Rodonorte admitiu publicamente que pagava propina a agentes públicos para firmar aditivos espúrios. Além disso, o acordo permite que a Rodonorte participe das licitações da nova leva de concessões.


O acordo foi feito sem ouvir a outras partes?
Romanelli - O acordo é lesivo e contrário ao interesse público. Não houve qualquer discussão prévia, qualquer participação da sociedade. Nem o Departamento de Estradas de Rodagem- DER, o Ministério Público Estadual ou a Procuradoria Geral do Estado-PGE foram chamados a participar. O acordo deveria obrigar a concessionária a realizar as obras que ela não fez. Mas não obriga,  não contempla a duplicação da BR-376, a Rodovia do Café, entre Ponta Grossa e Apucarana e deixa de fora também a duplicação entre Piraí e Jaguariaíva.

A tarifa será reduzida em 30% por um ano mas todos sabemos que esse pedágio é superfaturado, todos sabem que a tarifa do Paraná é uma tarifa injusta.

O acordo de leniência deveria prever que a Econorte realize todas as obras previstas no contrato original e que devolva aos cofres públicos  os valores que cobrou indevidamente. A dívida que a Rodonorte tem com o Estado é muito maior que os valores propostos no acordo e beira a R$ 2,5 bilhões.

O senhor propôs e a Assembleia realizou uma audiência pública para debater esse acordo de leniência. Qual foi o posicionamento da Procuradoria Geral do Estado e do Ministério Público Federal?
Romanelli - Na prática, primeiro quero parabenizar o governo do Ratinho Junior, eles estão tomando medidas corretíssimas. A procuradora geral do Estado, Letícia Ferreira,  se recusou a anuir no acordo de leniência da CCR-Rodonorte, o estado vai ingressar na justiça e também com processos administrativos contra a Rodonorte. O controlador geral do estado vai abrir agora um procedimento administrativo e  fará também contra outras concessionárias de pedágio. O objetivo é manter a Rodonorte inidônea até que eles façam as obras que estão previstas no contrato original.

Há muito tempo que o senhor denuncia os contratos de pedágio no Paraná. A julgar pelas decisões da Lava Jato em relação à Econorte. Mas infelizmente, parece que o Ministério Público Federal e a Justiça demoraram a perceber que havia irregularidades nos contratos, não é mesmo?
Romanelli- Vamos rememorar. Em 1997, quando o governo Jaime Lerner enviou para a Assembleia Legislativa o projeto que criava o Anel de Integração, fui um dos poucos deputados a votar contra. Já na sua concepção apenas 22% do valor arrecadado seria investido efetivamente na melhoria das rodovias.

Em 1998, para reeleger Lerner, o contrato foi revisto. As tarifas foram reduzidas em 50% e obras essenciais foram eliminadas ou postergadas para o final do contrato. Os aditivos foram feitos de forma unilateral e beneficiaram apenas as concessionárias.

Desde o primeiro momento eu afirmava que o os contratos do pedágio eram fruto de um conluio espúrio entre o então governo Lerner e as concessionárias.


O que aconteceu desde então?
Romanelli - Apenas em 2018, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, finalmente, descobriram as irregularidades que denunciamos há anos e deflagraram a Operação Integração. Diretores da Econorte e do DER foram presos.

Lamento que durante os 20 anos de implantação do pedágio no Paraná, apesar de todas as evidências e indícios, o Ministério Público Federal pouco tenha feito para investigar as concessionárias, assim como a Justiça Federal decidiu majoritariamente a favor delas. Mas como diz o ditado popular, antes tarde do que nunca para restabelecer a verdade.

Mas o ex-governador Roberto Requião lutou desde o primeiro momento para reduzir as tarifas e nunca conseguiu?
Romanelli - O ex-governador Requião perdeu a oportunidade, em 2003, de declarar os contratos nulos de pleno direito. Sugeri a ele, naquela ocasião, que encampasse os pedágios e criasse uma empresa pública para gerenciar as rodovias. Ele preferiu negociar e depois de quatro meses, como as negociações não avançavam, optou por judicializar a questão.

E perdeu todas as ações. Foram oito anos de luta em vão. A Justiça Federal considerou o contrato válido. A cada reajuste tarifário, quando o governo se negava a homologar, 24, 48 horas depois um juiz federal concedia o reajuste às concessionárias.

O resultado foi que no período do governo Requião- eleito com o discurso “ou abaixa ou acaba”- a tarifa mais do que dobrou, graças a decisões dos juízes federais, sempre a favor das concessionárias.

O senhor foi duramente criticado por furar várias vezes as cancelas do pedágio e, inclusive, gravar um vídeo ensinando as pessoas a furarem o pedágio. O senhor se arrepende ?
Romanelli - Foi um ato de desobediência civil, para deixar registrado o meu protesto e repúdio ao sistemático roubo praticado pelas concessionárias, que faturaram milhões e prejudicaram enormemente a economia do Estado. Esse fato aconteceu  em 2008, vejam só e só 10 anos depois é que o MPF e a Justiça conseguiram provas de que o que eu dizia estava correto.

Estive junto com a comunidade na luta pelo fechamento da praça de pedágio de Jacarezinho e graças a isso tenho seis interditos proibitórios concedidos pela Justiça Federal às concessionárias, que me proíbem de participar de manifestações públicas contra o pedágio, sob pena de multa de R$ 9 mil, por dia.

Apesar de todos esses percalços, o senhor ainda persistiu?
Romanelli - Nunca desisti. Fui o autor da Lei 18.696/2016, que criou o Pedagiômetro. Graças a essa lei, qualquer cidadão pode acessar o site do DER e verificar em tempo real a quantidade de veículos e os valores arrecadados pelas concessionárias.

Fui um dos principais apoiadores do Movimento pela Duplicação da BR 369 entre Jataizinho e Cornélio. E depois de muita luta, conseguimos que as obras fossem antecipadas. Se dependesse da concessionária, nunca seria realizada.

Não me arrependo de nenhuma atitude que tomei. A população paranaense paga muito caro para trafegar pelas rodovias pedagiadas, muitas delas ainda em pista simples, o que é um escárnio e um deboche.


Olhos
“O paranaense paga muito caro para trafegar pelas rodovias pedagiadas, muitas delas ainda em pista simples, o que é um escárnio e um deboche”.

“Lamento que durante os 20 anos de implantação do pedágio, apesar de todas as evidências e indícios, o Ministério Público Federal pouco tenha feito para investigar as concessionárias, assim como a Justiça Federal decidiu majoritariamente a favor delas”.

“Em 1997, quando o governo Jaime Lerner enviou para a Assembleia Legislativa o projeto que criava o Anel de Integração, fui um dos poucos deputados a votar contra”

(fotos: Orlando Kissner/Alep)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desta matéria???

19 Regional de Saúde Abatia Abatiá ACISC AJUDE O LUCCA Alex Canziani Alexandre Curi Alexandre Guimarães AMUNORPI Andira Andirá Angra Doce Arapoti Artigos Assaí Assessorados AUDIÊNCIA PÚBLICA BANDEIRA EVENTOS Bandeirantes Barra Barra do Jacaré Bauru Beto Richa Bizarro BOM DE BOLA BRASIL Bruno Pessuti CADASTRO CÂMARA CARLÓPOLIS CÂMARA JACAREZINHO Cambara CAMBARÁ CAPS Carlopolis Carlópolis Casas em Cornélio CERTANO CIAS Cida Borghetti CISNORPI Cobra Repórter CONCURSO Congonhinhas Conselheiro Conselheiro Mairinck ConselheiroMairinck Cornélio Procópio Cultural Curitiba Curiuva Destaque DETRAN EM AÇÃO Diversos Douglas Fabrício Economia Educacao Educação ELEIÇÕES 2018 Esportes Evandro Junior FÁBIO VIEIRA Figueira FUTEBOL GERAL Governo do Estado Governo Federal Guapirama Guto Silva Ibaiti Instituto Gomes InvestCRED ITAIPU Itambaracá Jaboti Jacarezinho Jaguariaíva Japira João Carlos Gomes Joaquim Távora JoaquimTavora Jogos Escolares Jundiaí do Sul JundiaidoSul Liberatti LIMITE DE GASTOS Londrina Luiz Carlos Martins Magda Cristina MARQUES DOS REIS Mauro Moraes Michele Caputo MOLINIS MUNDO BIZARRO NATAL Nick Network NORTE PIONEIRO Nova América da Colina Nova Santa Bárbara NOVO CAMINHO Núcleo de Educação OFERTA DE CURSOS Online Ourinhos PARANÁ Parceria FAEL Pedro Claro Pedro Lupion PHS Pinhalao Pinhalão PLANETA BIZARRO PLATINA PM Policial Politica Política Professor Rodrigo Projetos Quatigua Quatiguá Ratinho Junior Regiao Região REGIONAL Ribeirão Claro Ribeirão do Pinhal RibeiraoClaro RibeiraoDoPinhal Romanelli Rubens Bueno Salto do Itararé SaltoDoItarare SAMU Santa Amélia Santa Cecília do Pavão Santa Mariana Santana do Itararé SantanaDoItarare Santo Antônio da Platina São José da Boa Vista São Sebastião da Amoreira SaoJosedaBoaVista SAP Saúde SEDS Sertaneja Sindicato Rural SAP Siqueira Campos SiqueiraCampos SOMOS CONSULTORIA Tarcísio Mossato Tiago Amaral Tomazina Toninho Wandschher Trânsito Tribunal de Contas UENP Uraí VERMELHO Wenceslau Braz WenceslauBraz

As Mais Clicadas do Mês!

As Mais Recentes!

Destaque!

Subir