Com aumento de casos de Covid-19, Paraná vai reavaliar reabertura de shoppings e igrejas


Durante prestação de contas em audência remota na Assembleia Legislativa, o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, falou sobre o aumento de casos da Covid-19 no Paraná e o crescimento da curva. “Esperávamos que o crescimento da curva fosse equilibrado, mas não foi. Ele foi influenciado pelo pagamento das aposentadorias nos primeiros dias do mês, as enormes filas para o saque do auxílio emergencial pago pelo Governo Federal e ao Dia das Mães, tudo isso fez com que aumentasse o fluxo de pessoas”, disse. “Também houve, de forma restrita, a liberação de cultos religiosos e a flexibilização da abertura do comércio. O distanciamento e o isolamento também caíram e o fluxo de pessoas cresceu, fazendo com que o vírus circulasse mais”, completou.
Hoje, o estado tem 4.687 casos confirmados da doença e 182 mortes. “Nos últimos dias tivemos uma média de 40/50 casos/dias, agora estamos tendo em média 200 casos/dia. Daqui uns 14 ou 21 dias iremos analisar essa flexibilização e ver as medidas que iremos tomar: se continuamos testando e bloqueando apenas, ou se é o caso de aumentar as restrições da mobilidade das pessoas. Até agora mantemos as restrições da volta das aulas, mas vamos aguardar mais um pouco”, observou, ao complementar que essa análise ocorre depois da reabertura dos comércios, igrejas e shoppings. O número de pessoas testadas também cresceu e hoje o Paraná conta com quase 300 mil testes rápidos. E a média de testes/dia também aumentou para mais de cinco mil exames.
O boletim epidemiológico publicado neste domingo (31) pela Secretaria de Estado da Saúde demonstra que a circulação do novo coronavírus aumentou 60% no Paraná na última semana. A diferença é entre os 877 casos da semana epidemiológica 21 (período de 17 a 23 de maio) e os 1.404 da semana 22 (período de 24 a 30 de maio). No mesmo quadro houve diminuição de 23% no número de óbitos, de 31 para 24. As regiões que registraram maior quantidade de casos novos foram Oeste (151%) e Noroeste (58%). A primeira pulou de 162 para 406 novos casos em sete dias e a segunda de 120 para 190.
Investimentos
Na audiência,  o secretário e o diretor-geral da Sesa, Nestor Werner Júnior, prestaram contas das ações da pasta no primeiro quadrimestre de 2020 e falaram do enfretamento à Covid-19 no Estado. Para este ano, a área da saúde teria pouco mais de R$ 5,6 bilhões para serem investidos. Mas o diretor-geral da pasta, Nestor Werner Júnior, observa que o valor sofrerá alterações já que “estamos passando por uma pandemia que está afetando em cheio a arrecadação do Estado”. Ele também comenta que há uma estimativa de gastos em torno de R$ 500 milhões para o enfrentamento da pandemia para os próximos seis meses. “Este valor é apenas uma estimativa, que dependerá muito de quanto tempo a pandemia irá durar”, afirmou. A pandemia do novo coronavírus mudou a atuação da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa), que neste primeiro quadrimestre, já direcionou mais de R$ 40 milhões para ações de enfrentamento da doença. São mais de R$ 23 milhões em ações de saúde para o enfrentamento da doença e outros R$ 18 milhões para aquisição de leitos hospitalares de covid-19. “A pandemia agravou nossos gastos e esforços em saúde”, disse Preto. 
Ainda com relação ao combate da pandemia, a Sesa investiu mais de R$ 18 milhões à implantação de leitos para o tratamento da Covid-19. Em março foram R$ 978.500,00 para 496 leitos (95 para UTI Adulto; 02 para UTI Pediátrica e 399 para enfermaria adulto). Em abril mais R$ 16.757.745,28 para 1.388 leitos (429 para UTI Adulto; 35 para UTI Pediátrica; 855 para enfermaria adulto e 69 para enfermaria pediátrica). Além disso, instituiu o Centro de Operações de Emergências (COE), elaborou um Plano de Contingência do Paraná ao enfrentamento da Covid-19, implementou o serviço “Remédio em Casa” e aumentou a capacidade atual de processamento para exames com o método RTPCR (Covid-19) para 5.600/dia.
Com relação ao repasse de mais R$ 37 milhões feito pelo Legislativo Estadual ao Fundo de Saúde do Estado, o secretário disse que 2/3 deste valor serão destinados para o custeio da área hospitalar e 1/3 para a aquisição de equipamentos de proteção individual aos municípios. “Os processos licitatórios estão encaminhando dentro da Secretaria e devem ser usados neste mês e no próximo”, afirmou ao agradecer à Mesa Executiva e todos os deputados pelo repasse.
Com relação aos dados do primeiro quadrimestre de 2020, já foram aplicados pouco mais de R$1,2 bilhão em ações e serviços públicos de saúde, ou 10,54% do montante previsto para o ano. Detalhadamente, Nestor Werner falou dos investimentos feitos no setor como, por exemplo, o investimento de R$ 135 milhões na produção ambulatorial e hospitalar SUS para o atendimento de urgência, eletiva e outros; na atenção psicossocial foram mais de sete mil atendimentos ambulatoriais ao custo de R$ 29.139,03 e outros 3.284 atendimentos hospitalares ao valor de R$ 4.069.636,28.
Na questão da promoção da saúde, em 50% das regiões de saúde foram implantados os serviços de Banco de Leite; 50% das regiões com hospitais habilitados na iniciativa Hospital Amigo da Criança; 373 municípios aderiram ao Programa Saúde na Escola (PSE) e foram implantados o Programa de Controle de Tabagismo em 28 municípios.
Para enfrentamento à violência houve um Termo de Cooperação Técnica SESA/SESP-IML para garantir serviços de referência ao atendimento integral e humanizado às pessoas em situação de violência sexual em 17 Regiões de Saúde; ampliado em 11,32% os Núcleos Municipais de Segurança do Paciente em municípios com mais de 100.000 habitantes e as tratativas para ampliação do Projeto Vida no Trânsito em mais dois municípios.
O acesso e assistência qualificada em tempo oportuno às pessoas em situação de urgência atingiram 90,25% de cobertura da população pelo SAMU e o índice de doação de órgãos por morte encefálica chegou a 44,6 por milhão de habitantes. A mortalidade materna por 100 mil nascidos vivo caiu de 42,4% para 27,2% e a mortalidade infantil também apresentou queda de 10,3% para 9,2%.
A audiência foi conduzida pelo presidente da Comissão de Saúde Pública, deputado Dr. Batista (DEM) que destacou a importância da presença do secretário e as ações que o Estado vem adotando para combater o novo coronavírus. “Muito bom ouvir os dados e saber como está o combate ao coronavírus, à dengue e demais temas relevantes”, disse. Também participaram da prestação de contas o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) e, remotamente, os deputados Evandro Araújo (PSC), Douglas Fabrício (CDN), Michele Caputo (PSDB), Márcio Pacheco (PDT), Arilson Chiorato (PT) e Ricardo Arruda (PSL).

FONTE: REDAÇÃO BEM PARANÁ COM ALEP
Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas