Educação Municipal conectada à inclusão escolar e social



A Prefeitura de Campo Largo, através da Secretaria Municipal de Educação, firmou convênio com o Instituto Federal do Paraná para desenvolver tecnologia assistiva para pessoas com deficiência utilizando-se da impressão 3D.

Essa parceria apresenta um projeto extensionista, regulamentado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do IFPR e composto por uma equipe multidisciplinar com integrantes de ambas as esferas públicas.

O objetivo do convênio é desenvolver produtos como órteses, instrumentos para atividades da vida diária e materiais didáticos acessíveis para as escolas municipais e CMEIs, com ações inclusivas que já contemplaram diversos estudantes da Rede de Educação Especial do município.

PRODUTO - Uma das ações foi a produção de materiais projetados para atender estudantes com deficiência visual (cegos e baixa visão); foi desenvolvida uma ponteira para lápis de cor do tipo jumbo.

Inicialmente, esta necessidade foi apresentada pelo Centro de Atendimento Especializado – Área Visual - CAE-AV, visto que os estudantes com deficiência visual utilizavam uma base para posicionar os lápis e nela estava escrita a cor do lápis em sistema de escrita braille. A equipe multidisciplinar identificou duas problemáticas: 1ª.A frequente troca do lápis de cor, ou seja, quando interagindo e pintando, a criança cega não sabia qual cor reposicionar de forma correta na base. 2ª.O fato dos lápis serem posicionados com a ponta para cima, podendo ocasionar algum acidente.

SOLUÇÃO - Após trocas de ideias entre os profissionais do projeto, optou-se por desenvolver uma ponteira para o lápis em impressão 3D. Essa ponteira possui o braille em uma de suas faces para os estudantes cegos e a escrita da cor em português, em alto relevo e contraste, para àqueles com baixa visão.

As avaliações de usabilidade do produto pelas crianças com deficiência visual e professores foram excelentes. Além do baixo custo dessas ponteiras, um outro ponto positivo é a durabilidade, pois, conforme o desgaste do lápis, é possível apenas trocar a ponteira e reposicioná-la em um novo lápis.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA - Produtos como a ponteira 3D possibilitam a promoção da inclusão social, autonomia e maior acessibilidade educacional para os estudantes com deficiência visual do município.

A aluna contemplada foi Agatha Victoria Sustisso de Lima. Estuda na Escola Municipal Professora Neuza Lúcia Jokinsen Barbosa, na modalidade de Educação Especial.

A secretária de Educação do município, Dorotéa Stoco, ressalta que a Escola como espaço de ensino e aprendizado, de vivências sociais e multiplicidade, tem papel significativo na formação integral das pessoas e também na formação social. “O objetivo deste trabalho, em parceria com o IFPR, consistiu primeiramente me refletir sobre a importância dos materiais e do ensino no processo de inclusão de estudantes com deficiência visual ao processo de ensino e aprendizagem funcional e integral”, observou a secretária.



FONTE; PREFEITURA DE CAMPO LARGO

Postagem anterior
Proxima
Postagens Relacionadas